quarta-feira, fevereiro 14, 2007

Concordo!

Você é... a cena da Passagem de Ano em “When Harry Meet Sally”: Para si, a verdadeira declaração de amor deve ser sempre espontânea e não treinada horas a fio ao espelho. O amor deve sempre ter como base uma forte amizade, até para o ensinar a gostar dos defeitos da outra pessoa.
"I love that you get cold when it's seventy one degrees out, I love that it takes you an hour and a half to order a sandwich, I love that you get a little crinkle above your nose when you're looking at me like I'm nuts, I love that after I spend a day with you I can still smell your perfume on my clothes and I love that you are the last person I want to talk to before I go to sleep at night. And it's not because I'm lonely, and it's not because it's New Years Eve. I came here tonight because when you realise you want to spend the rest of your life with somebody, you want the rest of the life to start as soon as possible."

Contudo a vida não é um filme...

Procurem a vossa cena aqui.

Saudações virtuais

NB - Não consegui colocar o respectivo trailler que encontrei no YouTube. Paciência...

6 comentários:

Diário de um Anjo disse...

olha concordo...a base é amizade e os alicerces o amor e a compreensão;-)

LBG disse...

Não conhecia a frase mas é muito bonita. Muito bonita mesmo!

BlueAngel disse...

diário de um anjo,

nem mais e quando esses factores se encontram... está lá tudo!

lbg,

estás a ver? Já aprendeste alguma coisa comigo, mas aposto que conheces este filme! Se eu te falar do fake orgasm da Meg Ryan avivo-te a memória não? :-) É, sem dúvida, uma lindissíma declaração de amor. Esta e a dos cartazes do "Love Actually" ("O amor Acontece).

Rosa disse...

Não é, mas à vezes parece! ;)

Sister San disse...

Olha eu sou: ... a cena dos cartazes em “Love Actually”: Você é criativo até na maneira de proclamar o seu amor e está sempre a pensar em novas maneiras de surpreender. É também alguém que consegue apreciar o amor por si só e não necessariamente por ser correspondido.

BlueAngel disse...

rosa,

desde que não seja de terror, nem me parece mal. Um dia conto-te o argumento da minha vida e vais ver. Não é de terror, mas é com cada surpresa que dá para dar uns saltinhos na cadeira. :-) E também dá para muita gargalhada.

sister san,

também é uma cena fantástica e lindissíma: Resta saber se te identificas com ela, eu identifiquei-me com a minha na hora!!!