quarta-feira, março 21, 2007

Pela música

Para lá do clássico modelo de comédia romântica (rapaz e rapariga conhecem-se, apaixonam-se, nasce uma relação, zangam-se e voltam a encontrar-se no fim para serem felizes juntos até ao fim dos seus dias), o filme Música e Letra caricaturiza e bem o mundo da música pop com a sua ascensão e queda.

Nesta película, Alex Fletcher (Hugh Grant),um cantor de sucesso dos anos 80, do século passado, tenta reconstruir uma carreira que ficou parada no tempo e colada a uma banda à qual pertenceu. Por mero acaso conhece Sophie Fisher (Drew Barrymore) numa altura em que está a fazer uma canção para uma moderna cantora pop, Cora (que não passa de uma imitação de Shakira, mas em mau, em péssimo, ouso dizer. A prova de que uma grande produção engana o público muito facilmente). Juntos escrevem e compõem o próximo êxito do novo ídolo musical e claro fazem sucesso. Entre a ética e o deixar-se apanhar pela “máquina dos sonhos”, esta película é um retrato satirizado dos bastidores do mundo artístico nos dias de hoje. Conclui-se que se dá valor a canções com letras sem sentido e sem mensagem, mas cuja a música, melodia e/ou batida ficam no ouvido. Importa muito mais o visual do que o interior e a mensagem que se possa querer transmitir. No final, tudo está bem quando acaba bem e além da vitória do amor há a vitória das grandes canções.

Quanto às interpretações nada de novo. Hugh Grant está bem e até canta sem desafinar, mas sempre igual a ele próprio, e Drew Barrymore, que também tem um talento vocal moderado, desempenha o papel de uma menina com sonhos e esperanças que vê o seu conto de fadas tornar-se realidade.

A história está muito bem pensada e conseguida, basta que nos dispersemos da historieta de amor que passa pelo meio. Não faltam grandes momentos de humor e verdadeiras homenagens aos gloriosos anos 80. Aliás o vídeo dos Pop, a banda de Alex Fletcher, tem um pouco de tudo: Wham!, Jorge Miguel, Modern Talking, Meatloaf e outros que ainda estou a tentar descobrir. A música não podia ser mais daquela época e o teledisco (como se dizia por cá) é mau e tem todos os ingredientes que nos divertiam e hoje nos fazem rir até às lágrimas. Eu confesso que desde que saí da sala de cinema não consigo deixar de cantarolar este mega-êxito. É que fica mesmo no ouvido e se não acreditam é só clicarem no play que se encontra já a seguir.

Pop! Goes My Heart - Pop

Saudações virtuais

Ficha técnica

Música e Letra

Título original: Music and Lyrics

De: Marc Lawrence

Com: Drew Barrymore, Hugh Grant, Scott Porter

Género: Com, Dra, Mus

Classificacao: M/12

Estúdios: Castle Rock EntertainmentEUA, 2007, Cores, 104 min.

6 comentários:

Empregada de mesa disse...

Se Hugh Grant está igual a ele próprio então está muiiiito bem! Aquele British accent tira-me do sério. Sou fã, confesso...Hehehe!
Tenho que ver o filme... pela temática, pela música (que belo teledisco!!! LINDO!), pelos anos 80 e claro pelo Hugh Grant!

scorpiowoman disse...

Eu não tenho de ver o filme.
Eu vou ver o filme!
Quanto mais não seja para passar o dia seguinte a cantarolar "Pop! Goes My Heart!" Eheheheheheheh
Inté*

BlueAngel disse...

empregada de mesa,

pois fica sabendo que durante o filme me apeteceu enviar um sms para ti e para o teu "patrão" (lol) para vos aconselhar estabela obra! E sim, não consigo mesmo pararf de canta este Pop!Goes My Heart. E já descobri também cenas de Duran Duran e de Spandau Ballet! Está o máximo! Ainda vou ver o filme outra vez!!! Um conselho:não sair da sala de cinema assim que acabar pq o genérico final vale a pena!

BlueAngel disse...

scorpiowoman,

vais rir e dançar bués, mas bués mesmo! And then pop! goes my heart!!!

Rosa disse...

Eu diverti-me imenso! O filme tem tiradas muito bem humoradas. Passei a noite a trautear: "pop, goes my heart"! :)

BlueAngel disse...

rosa,

consta que me vou rir outra vez um dia destes! :-) E cantarolar o "Ppo! Goes My Heart!" Vou fazer inveja à sala de cinema todinha!!!!